quinta-feira, 16 de junho de 2011

Oficina de Língua Portuguesa da Escola Padre Luís Filgueiras: 1º ENCONTRO REALIZADO COM ALUNOS DO 1º,2º E 3º AN...

Oficina de Língua Portuguesa da Escola Padre Luís Filgueiras: 1º ENCONTRO REALIZADO COM ALUNOS DO 1º,2º E 3º AN...: "INICIAMOS O NOSSO 1º ENCONTRO NO DIA 3O DE MAIO. VEJA A NOSSA AGENDA! .CONVERSAÇÃO DO DIRETOR COM OS ALUNOS SOBRE A NECESSIDADE E I..."

Oficina de Língua Portuguesa da Escola Padre Luís Filgueiras: 1º ENCONTRO REALIZADO COM ALUNOS DO 1º,2º E 3º AN...

Oficina de Língua Portuguesa da Escola Padre Luís Filgueiras: 1º ENCONTRO REALIZADO COM ALUNOS DO 1º,2º E 3º AN...: "INICIAMOS O NOSSO 1º ENCONTRO NO DIA 3O DE MAIO. VEJA A NOSSA AGENDA! .CONVERSAÇÃO DO DIRETOR COM OS ALUNOS SOBRE A NECESSIDADE E I..."

1º ENCONTRO REALIZADO COM ALUNOS DO 1º,2º E 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

INICIAMOS O NOSSO 1º ENCONTRO NO DIA 3O DE MAIO.
  
VEJA A NOSSA AGENDA!

.CONVERSAÇÃO DO DIRETOR COM OS ALUNOS SOBRE A NECESSIDADE E IMPORTÂNCIA  DA REALIZAÇÃO DAS OFICINAS;

.MENSAGEM  -VÍDEO TUDO DEPENDE DE MIM; (Charles Chaplin)
.RELEITURA DO VÍDEO FEITA PELOS ALUNOS E PROFESSORES;
.APRESENTAÇÃO DO VÍDEO-CEARÁ,TERRA DA LUZ ;
.TECENDO  COMENTÁRIOS SOBRE O VÍDEO E PREENCHIMENTO DE UM TEXTO LACUNADO(LETRA DA MÚSICA);
.MONTAGEM DE  UM TEXTO EM TIRAS(LETRA DA MÚSICA) .


video

GOSTOU DO VÍDEO?

.DANDO CONTINUIDADE AO NOSSO 1º ENCONTRO ,SUGERIMOS QUE OS ALUNOS REALIZASSEM UMA PESQUISA SOBRE O CEARÁ,EXPLICANDO O VERDADEIRO MOTIVO DO CEARÁ TER RECEBIDO O COGNOME DE "TERRA DA LUZ".



           ESTÁ NA HORA DA PESQUISA!

E VOCÊ ,VISITANTE DO NOSSO BLOG,SABE POR QUAL MOTIVO O CEARÁ É CHAMADO DE "TERRA DA LUZ"?


*NÓS REGIISTRAMOS O QUE FIZEMOS.NOSSAS FOTOS SERÃO POSTADAS EM BREVE. 
       

              PROFESSORES:Laudinha Muniz.Hericka e Paulo Leite.

"O VERBO LER NÃO SUPORTA O IMPERATIVO,TAL COMO OS VERBOS SONHAR E AMAR.NÃO É POSSÍVEL  SE OBEDECIDO   QUANDO SE ORDENA A ALGUÉM;AME!SONHE! OU LEIA! POR ISSO,PARA QUE SE CONSIGA CONQUISTAR ALGUÉM PARA QUE NOS AME OU PARA QUE LEIA É PRECISO SEDUZIR ESSE ALGUÉM.É PRECISO FASCINÁ-LO PARA A LEITURA."
                     Daniel Pennac(educador francês)

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Alunos dos 3ºs Anos A e B...ou os que conseguiram vir. - 1º Encontro - 06 de junho de 2011.

Antes de tudo é importante dizer que seguimos o mesmo plano que foi trabalhado com os alunos dos 3ºs anos C e D (ver postagem anterior) . Diferente das turmas citadas, a surpresa com os alunos das turmas A e B foi triste, o fato é que, dos vinte quatro alunos esperados, apenas sete compareceram. Vale ressaltar que dos sete, dois estavam participando espontaneamente e quatro eram monitores, nesse caso, com exceção dos monitores, apenas uma das alunas convidadas compareceu.
O triste em tudo isso é que existe um grande esforço por nossa parte em coletar e estudar materiais diversos para as oficinas e ver que muitos não valorizam esse esforço realmente é triste.
O plano agora é conversar com as turmas e sensibilizá-las (mais uma vez) a participar das aulas. É como dizem os grandes pensadores e estudiosos da educação: "só há aprendizado quando existe motivação", então se nós só aprendemos aquilo que nos move, que nos motiva, vamos novamente á luta. Conversaremos com nossos alunos infinitas vezes, se for preciso, mas precisamos motivá-los.

OBS: As fotos serão postadas depois.

Aos que não vieram...ORA DA BRONCA!
Meus queridos e queridas dos 3ºs anos A e B, vamos aparecer e comparecer às oficinas, não é?
Aguardo vocês no próximo encontro!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Oficina de Leitura, Produção e Interpretação Textual

1º ENCONTRO - 02/06/11 - Alunos do 3º Ano - Turmas A/B;
Professora: Samara Macêdo Diniz

Estava ansiosa com o nosso primeiro encontro. Dos vinte alunos convidados, três não puderam comparacer, mas justificaram antecipadamente. Utilizamos o espaço do Centro de Multimeios, o que facilitou os tabalhos e discussões em grupo pela disposição das mesas na sala.
Iniciamos nossa conversa com uma breve explanação sobre a Oficina, ressaltando a importância de nos aprofundar nos estudos da nossa língua materna. Embora o nosso primeiro encontro fosse mais uma sondagem sobre a situação desses alunos, comecei com um texto lacunado da música "Como nossos pais", de Belchior, na voz de Elis Regina. Apenas uma das monitoras conhecia a música. Pedi para que cada um, em seu caderno, listasse as palavras que poderiam completar a letra da música, não se importando se estava certa ou errada, pois naquele momento o que importava era saber se eles conseguiriam ser coerentes na escolha das palavras. Segue o texto lacunado:

COMO NOSSOS PAIS
Belchior

Não quero lhe falar,
Meu grande amor,
Das ­­­­­__________ que aprendi
Nos discos...
Quero lhe contar __________ eu vivi
E tudo o que aconteceu __________
Viver é melhor que sonhar
Eu sei que o __________
É uma coisa boa
Mas também sei
__________ qualquer canto
É menor do que a __________
De qualquer pessoa...
Por isso cuidado meu __________
Há perigo na esquina
Eles venceram e o sinal
Está __________ prá nós
Que somos jovens...
Para abraçar __________ irmão
E beijar sua menina na rua
__________ que se fez o seu braço,
O seu __________ e a sua voz...
Você me pergunta
__________ minha paixão
Digo que estou encantada
Como __________ nova invenção
Eu vou ficar nesta cidade
__________ vou voltar pro sertão
Pois vejo vir __________ no vento
Cheiro de nova estação
Eu __________de tudo na ferida viva
Do meu __________
Já faz tempo
Eu vi você na rua
__________ ao vento
Gente jovem reunida
Na parede da __________
Essa lembrança
É o quadro que dói __________
Minha dor é perceber
Que apesar de termos
__________ tudo o que fizemos
Ainda somos os mesmos
E __________
Ainda somos os mesmos
E vivemos
Como os __________ pais...
Nossos ídolos
Ainda são os mesmos
E as __________
Não enganam não
Você diz que depois __________
Não apareceu mais ninguém
Você pode até __________
Que eu tô por fora
Ou então
Que __________ tô inventando...
Mas é você
Que ama o __________
E que não vê
É você
Que __________ o passado
E que não vê
Que o novo __________ vem...
Hoje eu sei
Que quem me __________ a idéia
De uma nova consciência
E __________
Tá em casa
Guardado por Deus
Contando __________ metal...
Minha dor é perceber
Que apesar de __________
Feito tudo, tudo,
Tudo o que fizemos
__________ ainda somos
Os mesmos e vivemos
Ainda __________
Os mesmos e vivemos
Ainda somos
Os mesmos e vivemos
Como os nossos __________.


 Fiz a leitura da letra fazendo pausas nas lacunas para que eles lessem o que escreveram e pudessem compreender que as palavras precisavam ser coerentes com o restante da frase, ainda que não fosse a mesma palavra da letra original, que ouvimos a seguir para que eles preenchessem as lacunas em forma de "ditado musical".
Exibi o vídeo "Assalto à Língua Portuguesa", do grupo de comédia Os melhores do Mundo, onde um assaltante mata um refém para cada erro de português cometido pelos policiais que tentam prendê-lo. 
No último bloco da Oficina, espalhei  sobre as mesas tririnhas da Turma da Mônica, Mafalda, Garfield e Calvin&Haroldo e pedi que cada um pegasse uma. As tirinhas estavam incompletas. Umas faltavam o texto final, outras alguma palavra em um dos balões (algumas seguem abaixo).







Pedi para que eles lessem e imaginassem que palavra ou frase caberia naqueles espaços sem que a história perdesse o sentido.  Depois, eles tiveram que escrever um parágrafo narrativo sobre a tirinha que completaram.
 Recolhi o material para analisar a produção dos participantes. Por fim, todos concordamos que o NOSSO ENCONTRO VALE BIS!!!

Pra começo de conversa...


Já nas primeiras semanas do ano letivo de 2011, visando fazer uma sondagem de aprendizagem com os alunos provenientes da rede municipal de ensino que formam as nossas turmas de 1º Ano, realizamos uma avaliação diagnóstica de Língua Portuguesa e Matemática, utilizando descritores do 9º Ano. O objetivo dessa avaliação foi fazer um levantamento da situação desses alunos nessas duas disciplinas. Com o resultado sistematizado através de fichas que permitem avaliar a situação de cada aluno individualmente (ver anexos) os professores de Língua Portuguesa e Matemática dos 1º’s Anos puderam identificar quais os descritores críticos de cada turma/aluno e esquematizar intervenções que realmente surtissem efeito positivo. Vale ressaltar que a avaliação também contemplou os alunos do EJA – Ensino Médio, que vêm recebendo esse mesmo acompanhamento.
            Quando recebemos a notícia da sondagem diagnóstica da CREDE vimos a oportunidade de comparar os dados desta com a realizada pela escola e, principalmente, de ver se as intervenções sugeridas e trabalhadas estavam tendo bons resultados, visto que muitos dos descritores presentes na avaliação da CREDE também estavam na nossa. O caminho para trabalhar esses resultados começou pela análise dos professores das disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática e também pelos alunos, que tiveram a oportunidade de refazer a prova e identificar o que erraram e porque. Os professores realizaram a correção em sala e levaram gabaritos em branco para que isso ocorresse. A comparação dos resultados nos mostrou que estamos no caminho certo.
            Tendo conhecimento da divulgação do resultado do SPAECE por escola, buscamos, imediatamente, nos apropriar desses resultados e socializá-los com nossos professores e alunos. Com os alunos, em especial, tivemos o cuidado de explicar o que significam aqueles números para a escola e o que significam em relação à aprendizagem deles. Com os professores, a hora era de avaliar o que foi feito de bom no ano que se passou e que nos fez subir nos resultados, ver o que valia a pena continuar fazendo, o que precisava ser melhorado e o que fazer de novidade. Uma das ideias acertadas foi que as avaliações seriam elaboradas considerando os descritores do SPAECE. Assim foram realizadas as avaliações do 1º Período e serão dessa forma as dos períodos que se seguem.
            Considerando o plano anual planejado e redigido por cada professor na semana pedagógica, foi criada a 1ª Semana do SPAECE, que funcionou em fase experimental na semana de 09 a 13 de maio deste ano, e que acontecerá uma vez a cada mês até o final do ano letivo. A ideia era que cada professor, durante essa semana, sem fugir do conteúdo ministrado em sala, realizasse atividades voltadas para os descritores que poderiam ser trabalhados em suas disciplinas. Na avaliação da semana nos encontros por área os professores discutiram as dificuldades encontradas e as estratégias que utilizaram, visto que as aulas dessa semana foram diferenciadas. Por exemplo, para a aula prática de Educação Física os professores dessa disciplina elaboraram uma corrida de revezamento onde os alunos tiveram que responder itens de matemática, as professoras de filosofia elaboraram itens a partir de um dos textos que estavam trabalhando na disciplina, e assim, cada professor, sempre contando com auxilio e a orientação da coordenação, PCA’s e os colegas de Matemática e Língua Portuguesa, elaboraram e executaram suas aulas. Ainda com o resultado do SPAECE pudemos realizar um paralelo entre o resultado da escola e o do município, como já foi dito nesse relatório, temos uma boa parcela de estudantes provenientes da rede municipal de ensino. Os diagnósticos realizados até aqui nos mostram certa distância entre o resultado oficial do SPAECE e a realidade que encontramos em sala de aula com esses alunos, um pouco diferente do que mostram os números.
            Diagnosticados os problemas das turmas de 1º ano, pedimos que os professores de Língua Portuguesa e Matemática dessas turmas e também das turmas de 2º e 3º ano identificassem em suas turmas os alunos que estão precisando de um acompanhamento individualizado. Pedimos que considerassem não só o resultado dos diagnósticos, no caso dos 1ºs anos, e não só a nota das avaliações do 1º Período, no caso das demais turmas que não passaram pelo diagnóstico, mas também o desempenho de cada aluno em sala de aula. Os professores também identificaram aqueles alunos que têm capacidade de fazer um trabalho de monitoria. O pedido de fazer esse levantamento parte do projeto de realizar oficinas de Língua Portuguesa e Matemática com esses alunos até o final do ano. Enquanto os professores identificavam os alunos, o Núcleo Gestor juntamente com os PCA’s das referidas disciplinas, multimeios e professores do laboratório de ciências reuniram-se para a elaboração de horários alternativos para que as oficinas possam acontecer, respeitando o tempo livre dos alunos e também as outras atribuições de cada membro citado, visto que serão eles os responsáveis por ministrar essas aulas. Com os alunos identificados, convocamos os pais para uma reunião onde apresentamos o projeto da oficina, os professores que irão ministrá-las e também os horários alternativos para que eles pudessem apontar onde os filhos se encaixam melhor. Mostramos uma reportagem exibida no dia 28 de abril no Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, que fala sobre o papel da família no processo de aprendizagem dos filhos.  Apresentamos ainda a listagem completa dos alunos para que os pais tomassem conhecimento da situação dos filhos, pois alguns aparecem nas listas das duas oficinas. As reuniões foram realizadas em dois dias da seguinte forma:


Quinta-feira
26/05/2011
Sexta-feira
27/05/2011
Manhã
Pais e alunos – 2ºs e 3ºs Anos
Pais e alunos – 1ºs Anos
Tarde
Pais e alunos – 2ºs e 3ºs Anos
Pais e alunos – 1ºs Anos

Alguns pais se pronunciaram nas reuniões parabenizando a escola pela iniciativa e também agradecendo pela oportunidade dos filhos participarem das oficinas, além de sugerirem mecanismos que acreditam que podem ajudar a melhorar o desempenho dos filhos, como uma mãe que sugeriu, por exemplo, que seja estipulado um horário no contraturno para que os alunos utilizem obrigatoriamente o centro de multimeios para estudar. Na realidade, a sala está disponível e aberta aos alunos em qualquer um dos turnos e eles têm total liberdade para utilizá-la. É importante dizer que alguns alunos participarão das oficinas, espontaneamente, para melhorar seus conhecimentos em Português ou Matemática ou para auxiliar os colegas, no caso dos alunos com melhor desempenho. Todos os pais presentes assinaram termo de compromisso, garantindo à escola que enviarão os filhos para participar das aulas e que farão acompanhamento em casa. Após conversar com os pais, chamamos os alunos e abrimos uma discussão a respeito do compromisso que cada um deve ter com a sua aprendizagem a partir do vídeo do texto “Tudo depende de mim” de Charles Chaplin. Também exibimos a reportagem do Jornal Nacional, também mostrada aos pais, e pedimos que comparassem com o que acontece com cada um deles. Utilizando a velha estratégia de levantar a mão, descobrimos que uma grande parte dos alunos que participarão das oficinas estudam por conta própria e não são cobrados pelos pais. Foram poucos os que levantaram a mão quando perguntamos se os pais ou responsáveis estipulam um horário de estudo obrigatório em casa. Houve uma conversa sobre o horário, visto que alguns dos alunos que participarão das oficinas trabalham ou vivem em comunidades na zona rural onde não tem transporte escolar em determinados horários. Visto o melhor horário para cada um, eles assinaram o mesmo termo de compromisso, “endossado” pelos pais, e receberam uma cópia do horário das oficinas. No planejamento das aulas das oficinas os professores ministrantes se reuniram com os professores de Matemática e Língua Portuguesa com o objetivo de conhecer a situação de cada turma, de modo que possam trabalhar em cima das dificuldades e deficiências destas.



“LÍNGUA PORTUGUESA”

Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela…
Amote assim, desconhecida e obscura,
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela
E o arrolo da saudade e da ternura!
Amo o teu viço agrestre e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,
Em que da voz materna ouvi: “meu filho!”
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!
Olavo Bilac (1865 – 1918)